domingo, 5 de fevereiro de 2012

Poesia Esotérica Imparcialista: O portal de todos os medos...


O portal de todos os medos

Caminhei trêmulo e pretensioso
Até aqui ao portal de todos os medos,
Dúbio, estive afoito e tive medo da grande queda,
Ansiosa e temeroso para o salto,
Impetuoso feito os ventos na noite em que todos dormem,
Desapiedado com as fraquezas e os apegados,
Tive medo da solidão eterna no coração dos vulcões.
Quantas vezes... eu tive que retornar
Para o mundo da matéria sólida
Feito um adolescente que ameaça sair de casa,
Tive que retornar porque tive medo do que é impalpável sem a alma.
Na meia idade, atravessei o portal de todos os medos,
Encontrei a paz na guerra e meu coração se acalmou
Enquanto construo o templo para meu espírito.

Jonas Corrêa Martins
J.Nunez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares