segunda-feira, 18 de março de 2013

Poesia esotérica, espiritualista imparcialista


O monge

Meu olhar piedoso para o monge
Perguntou como ele suportava
Tanta solidão e vida vazia,
O Eremita respondeu serenamente:
_Solidão e vida vazia
Quem sente são os que desconhecem
As portas e as janelas escancaradas da alma,
Para a vida, o universo e a eternidade.

Jonas Corrêa Martins
J.Nunez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares