sábado, 6 de julho de 2013

Poesia Imparcialista Esotérica: Os Cães

Os Cães

É sempre os cães
A me morder os  pés
E me despertar do sono espectral

Em fuga num mundo
Em que levanto vôo sem asas
E transpasso paredes e portões...

Depois, mais tarde,
Fora do tempo e do espaço
Acordo materializado no mundo
Em que estou preso ao chão,
E não posso flutuar.

Jonas Corrêa Martins
J.Nunez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares