quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Poesia espiritualista

Sino dos ventos
Na madruga o latido de cães
E  o som do sino dos ventos;
Trago dos sonhos para à meditação
E para a poesia, os  túmulos,
Os cemitério 
 E a simbologia da morte.
A minha filosofia de vida
É  o esquecimento e a vingança da vida...
Me agarro à consciência de existir
Sem essas memórias e esse intelecto.
O esquecimento destrói
Tudo que somos
Quando não temos
À consciência de existir
Muito além
Dessa efemeridade do intelecto ...
A vida nos deixa correr solto...,
Logo depois das ilusões
Do intelecto e do materialismo,
A vida nos espera
 Para se vingar.  E se vinga!
J.Nunez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares