domingo, 30 de outubro de 2016

A caverna de espelhos

Resultado de imagem para a caverna de platão


A caverna de espelhos 

A mente 
É uma caverna de espelhos
Que reflete uma infinidade de pensamentos...

Deixo passar os reflexos nos espelhos,
Não vou com eles. 

Observo as imagens,
Vigiando e deixando 
Que os pensamentos desapareçam,
Sem que eles suguem minha consciência
Para para dentro os espelhos.

J.Nunes   

sábado, 29 de outubro de 2016

A semente

Semente 

A fruta madura carrega
A semente que é a vida,
A semente quando cai
Em terra fértil perpetua.

O corpo é esse fruto,
A alma é a semente
E o sumo da existência,
A consciência é a terra fértil
Para os frutos da alma.


J.Nunes 

A parábola do Verde e do maduro

Verde e maduro

O fruto verde olha com soberba,
Acredita que será melhor
E mais gostoso
Que o fruto maduro mais próximo,
E que ele conhece.

O fruto maduro
É uma frustração de si mesmo,
E do fruto verde no presente.

O fruto maduro
Pensa que será muito melhor
Que o outro fruto,
Agora muito mais maduro que ele.

Resumindo verde e maduro
Caminham para a podridão,
Logo o que importa
É a semente que se perpetua
E traz o sumo da vida e da morte.


J.Nunes  

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Relaxamento


Sem espaço para rancores
E ressentimentos,
Sem ilusão de tempo,
Manipulando o passado,
O futuro e o presente
Com a consciência
Que tem sabor de eternidade
Busco essa unidade.

Escoro pelas coisas
Feito um gato relajado
E estou pronto
Com o corpo,
A mente,
A vontade
E a imaginação,
Obedientes à alma,
Com sede insaciável
Do reino de Deus.

J.Nunes

Poema Reencarnação

Na primeira respiração dessa vida,
Estava ali no berço,
Uma criança invensiva
Com a alma de um homem
Com muitos inimigos.

Porém, o homem de novo no corpo
De um menino  recém nascido,
Sabia que não era possível encontrá-lo,
Mas lamentou o peso de uma nova existência.

J.Nunes

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Berço da alma


Mãe de Deus, me perdoe
Quando nos momentos de cegueira na consciência
Lamentei  minha condição na vida e os sofrimentos.

Hoje eu compreendo
E te agradeço dela doença,
Pela pobreza, pelas dores, pelas injurias,
Pelo sofrimento, pelas traições,
Pelo inferno, pelo desprezo,
Pelo abandono, pelas lágrimas,
Pela falta de reconhecimento,
Pela ingratidão, pela tristeza,
Por tudo que me feriu  e fez sofrer.

Eu sei que a alma
Só pode nascer no sofrimento
E que o berço da alma é a pobreza,
E que o conforto da vida é terreno falso
E só traz a ilusão e a inconsciência.

Mãe, agradeço pelo sofrimento
Que fez me fez te procurar,
Se não fosse o sofrimento,
Eu não teria te procurado.

Mãe, se for para ser feliz e ter conforto,
Quero apenas o conforto
Que encontro no seus braços,
Porque sei que a felicidade
Que vem te ti é perene.

Mãe,  estou tão feliz pelo sofrimento
Que tenho vontade de chorar de emoção
E pedir o conforto de seu colo.

J.Nunes

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

demônios bajuladores e sedutores

Demônios  sedutores

Um anjo é seduzido
Pela lembrança do prazer do pecado,
Um anjo é derrubado,
Pela sensação do prazer sexual.

É assim que demônios bajuladores e sedutores  
Derrubam os santos e os anjos.


J.Nunes 

José Nunes poeta mariliense 

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Ver e ouvir por dentro

Ver e ouvir por dentro

O que me importa agora
É o silêncio,
Ver e ouvir
O que eu tenho para dizer.

O que me importa agora
E ver e ouvir
O que eu penso, sinto e faço,
Por fora e por dentro.

Não tem nenhuma importância,
Nada que eu faço,
Calo e ouço...
O que importa é a força e a energia
Que me leva a fazer...

O que importa mesmo
É ver e ouvir com a alma
E condenar à morte
Com a consciência
Tudo de mal que eu faço,
Vejo, ouço, falo e sinto.

O que eu mais quero é o silêncio
Que observa tudo
Sem a limitação da moralidade,
Que não muda nada.

É preciso olha-se livre,
E se matar por dentro
Sem apego e sem piedade.

Agora o que importa é o silêncio.

J.Nunes  




Postagens populares